Total de visualizações de página

quarta-feira, 26 de março de 2008

Amélia é que era mulher de verdade!!!!


"São 7h. O despertador canta de galo e eu não tenho forças nem para atirá-lo contra a parede.Estou tão cansada, não queria ter que trabalhar hoje.
Quero ficar em casa cozinhando, ouvindo música, cantarolando... Se tivesse filhos, gastaria a manhã brincando com eles, se tivesse cachorro, passeando pelas redondezas. Aquário? Olhando os peixinhos nadarem.
Espaço? Fazendo alongamento.
Leite condensado? Brigadeiro...
Tudo menos sair da cama, engatar uma primeira e colocar o cérebro para funcionar.
Gostaria de saber quem foi a mentecapta, a matriz das feministas que teve a infeliz idéia de reivindicar direitos à mulher e por quê ela fez isso conosco, que nascemos depois dela.
Estava tudo tão bom no tempo das nossas avós, elas passavam o dia a bordar, trocar receitas com as amigas, trocando segredos de molhos e temperos, de remédios caseiros, lendo livros das bibliotecas dos maridos, decorando a casa, podando árvores, plantando flores, colhendo legumes das hortas, educando as crianças, freqüentando saraus.
A vida era um grande curso de artesanato, medicina alternativa e culinária.
Aí vem uma fulaninha qualquer que não gostava de sutiã nem tão pouco de espartilho e contamina várias outras rebeldes com idéias mirabolantes sobre "conquistar o nosso espaço".
Que espaço, minha filha?
Você já tinha a casa inteira, o bairro todo, o mundo aos seus pés.Detinha o domínio completo sobre os homens, eles dependiam de você para comer, vestir, se exibir para os amigos, que raio de direitos requerer?
Agora eles estão aí, confusos, não sabem mais que papéis desempenhar na sociedade, fugindo de nós como o diabo foge da cruz.
Essa brincadeira de vocês acabou é nos enchendo de deveres, isso sim.
Conseguiu nos lançar no calabouço da solteirice aguda.
Antigamente, os casamentos duravam para sempre, tripla jornada era coisa do Bernard do vôlei - e olhe lá! Por quê, me digam por quê um sexo que tinha tudo do bom e do melhor, que só precisava ser frágil, foi se meter a competir com o macharedo?
Olha o tamanho do bíceps deles e olha o nosso.
Tava na cara que isso não ia dar certo.Não agüento mais ser obrigada ao ritual diário de fazer escova, maquiar, passar hidratantes, escolher que roupa vestir e que sapatos e acessórios usar.
Que perfume combina com meu humor, nem de ter que sair correndo, ficar engarrafada, correr risco de ser assaltada, de morrer atropelada, passar o dia ereta na frente do computador, com o telefone no ouvido, resolvendo problemas.
Somos fiscalizadas e cobradas por nós mesmas a estar sempre em forma, sem estrias, depiladas, sorridentes, cheirosas, unhas feitas, sem falar no currículo impecável, recheado de mestrados, doutorados, e especificações...
Viramos super mulheres, continuamos a ganhar menos do que eles!
Não era muito melhor ter ficado fazendo tricô na cadeira de balanço?
Chega!!!
Quero alguém que pague as minhas contas, abra a porta para eu passar, puxe a cadeira para eu sentar, me mande flores com cartões cheios de poesia, faça serenatas na minha janela (ai, meu Deus, 7h30, tenho que levantar!) e tem mais... que chegue do trabalho, sente no meu sofá, coloque os pés para cima e diga "meu bem, me traz uma dose de café, por favor?".
Descobri que nasci para servir!Vocês pensam que eu to ironizando?
To falando sério! Estou abdicandodo meu posto de mulher moderna... Troco pelo de Amélia, alguém se habilita?"
Já coloquei este texto uma vez, e na época, eu tbm era trabalhadora! E agora, o que eu sou?
Agora, meu bem, eu sou Amélia. Repaginada, moderna, e linda.
Acordo tarde. Vou a feira. Escolho legumes saborosos e coloridos e ainda sou chamada de madame.
Posso ir ao cabelereiro em qualquer horário! Posso pegar um cinema a tarde.
Supervisono o trabalho da minha ajudante do lar. Fiscalizo. Peço. E não mais por bilhetes.
Vejo programas a tarde. Sacais, by the way.
Tento descobrir o que tem na mala do Brito Jr para ganhar um dinheirinho. Rá. Nunca acerto.
Cozinho.
Leio.
Estudo.
Caminho.
Tomo sol, quando este aparece para dar o ar da graça. Almoço tranquilamente.
Durmo a tarde. Ou saio para tomar um suco.
Meu marido chega. Nunca estou cansada.
Estou cheirosa, linda, esperando por ele.
Não tenho salário. Who cares?
Estou feliz por enquanto.
Vamos ver quanto tempo vai durar....
E antes?
Antes eu trabalhava em um banco de renome, me divertia com os meus amigos quando fumava, almoçava com horário para voltar. Era útil de alguma forma. Econômicamente ativa, melhor dizendo.
Aguentava uma gerente infernal, uma mulher que se julgava Super, e que na minha opinião era Super. Super irritante. Super chata. E Super cheia de problemas. Devia transar com o marido apenas em noites de eclipse. E com hora marcada. E se a data do eclipse fosse ímpar, porque nos outros dias ela tinha que estudar para sei lá o quê!
Tinham os happys ás sextas, que eram muito bacanas, mas que posso frequentar ainda, porque Rá, eu sou super querida!
trabalhava das 09 ás 20 mais ou menos. Chegava em casa estressada, cansada, e lamentava todos os dias por não ter tempo de fazer certas coisas.
E eu tinha um salário. Um bom salário, que era só meu. Mas e daí?
Ficava aflita com a possibilidade de engravidar e ter que abandonar meu bebê com quatro meses em casa, com uma pessoa qualquer, sem mamar... Nos peitos, lógico.
Não sei o que é melhor. Até agora.
Eu gostaria de voltar a trabalhar, mas não neste esquema louco não.
Estou priorizando outras coisas agora.
Pensando em ser mãe.
E em exercer outra atividade que tbm me dê prazer, mas que não seja neste ritmo frenético, em que meu marido se transforme apenas num corpo na cama....
Apenas num barulho extra.
Eu quero é ser feliz! Independente de qual função eu venha a assumir.
E como tudo na vida, sempre há os dois lados da moeda!
Seja o que Deus quiser.
E que Ele queira, assim como eu, que eu seja feliz!
Aguardando os desígnios de Deus...
beijos,
Olly






4 comentários:

Renata R. disse...

Eu gosto de me sentir independente, mas é verdade que às vezes tenho inveja dos tempos da minha avó.

Apareça sempre, viu? :)

Milena disse...

Ai amiga, que lindo isso! Tô emocionada!

E quer saber? Equilíbrio chica! É disso que a gente precisa!! Não se deixe ser totalmente Amélia pq o bicho pode pegar daqui há um tempo né?

E seja feliz com o que vc tem hoje! Não espere a felicidade chegar qdo algo acontecer... A felicidade fica bem aqui, dentro da gente!

Beijoooo e que venha um Baby Chica-Victor!

Ice Ice Baby disse...

Olly,

primeiramente maaany thanks pela visitinha lá no blog..depois, menina, não divulga "adonde" eu trabalho não mulher! Meu nome de verdade nem é Joana..esse é o meu pseudo-nome..já expliquei essa história num post laááá pra trás...

Qualquer coisa, sinta-se à vontade pra mandar email pra ccd@katatudo.com.br

Mas naaada de private-info no blog! Please chuchu!!!

bjs e parabéns pelo seu blog tb! tá very cute!

Ana Barros disse...

Estava pensando exatamente neste tema outro dia... Super-mulheres, isso dá um tricô ótimo numa mesa de bar.
Ma pra vc, só posso dizer que existe vida após o banco ! E em alguns lugares as pessoas não são tão workaholics assim. Então, há esperança !
Parabéns pelo blog, tá bem legal !!!

Ps: vou repassar uma dica que a Ice deu pra mim: tire a verificação de palavras dos comments, pelo amorrrrrrrrr :-)

Bjos