Total de visualizações de página

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Carta a Sociedade


Prezada Sociedade,
Eu escrevo ciente da minha " dependência" de ti para sobreviver, dado que não sou eremita e vivo sim, em teu seio.
Faço parte da sociedade.
Tento me enquadrar em tuas normas, principalmente naquelas que prezam pela boa convivência dos seres que formam teu imenso e distinto grupo.
Há regras pré estabelecidas de boa convivência, boa educação, que zelam pela tradição, família e propriedade e que eu tento seguir ao máximo.
No entanto, escrevo para falar do que não sigo.
Ou do que discordo.
Ou o que ainda, me incomoda em demasia.
Casei cedo, enquanto as outras meninas do meu círculo ainda buscavam o amor, ou estavam apenas namorando.
Me divorciei quando as mesmas pessoas estavam casando.
E hoje, aos 29 anos, quase 30, é bem verdade, estou solteira.
E apesar da festa, do buquê e de todo blá blá blá que você , sociedade, usufruiu no dia do meu casamento, com festança e tudo o mais, me sinto cobrada.
Não.
Me sinto não.
sentir seria apenas uma sensação da minha parte.
A bem da verdade, eu sou cobrada.
Sou cobrada até para ter filhos, veja você, prezada sociedade.
mesmo solteira.
Como se o pior que pudesse me acontecer seria não ter filhos.
Tomar um tiro de um bandido, ou até mesmo da polícia, como anda acontecendo por aí, Dona Sociedade, isso não seria pior do que eu não ter filhos.
Não seria pior do que quase aos 30 anos eu entrar num restaurante, muitas vezes, sozinha para jantar.
Isso porque eu já superei há muito o fato de estar " avulsa", sociedade.
Veja você.
Me rotularam como avulsa.
Como se eu mesma, sozinha, não me bastasse.
Você evoluiu tanto minha cara, e parece que certos conceitos primatas não mudam mesmo, não é verdade?
O que eu sou sem um homem ao lado?
mesmo que este homem não me ame, me traia, tenha um caso com a secretária, falte grana, falte amor, falte tesão, sobrem brigas e ofensas.
O que eu sou, sem um namorado, sem uma relação, sem um casamento, mesmo que falido, não que todos os casamentos o sejam.
O que eu sou?
Por que soa como uma ameaça minha chegada a um bar com todas as pessoas acompanhadas, como se eu estivesse lá apenas para caçar, roubar o " homem" de alguém?
Por que nas reuniões familiares, as tias, primos e afins, fazem muxoxo quando eu respondo que estou solteira e algumas até me consolam, como se eu precisasse disso, dizendo:

--- Uma hora vai dar certo com alguém!!!

Tudo bem, eu até quero, mas sociedade, o que me incomoda não é o fato de não ter ninguém. O que me fode, e desculpe o palavreado, mas o que me fode, é acharem que eu não sou completa sem um homem.
Que acordo todos os dias aos prantos. Aliás, por que eu levanto da cama, se eu não tenho um homem pra chamar de meu, não é?
O motivo final de tudo, não é o um homem?
Ah não?
Nossa, desculpe, mas é o que parece.
Sabe o que eu sou, sociedade?
Eu te direi o que eu sou.
Desculpe ter enlouquecido um pouco, mas a realidade é que aos quase 30 anos, é como se um gênio da lâmpada aparecesse de repente, e te clareasse a cabeça para um monte de grilos que talvez vc tivesse.
Você não sociedade, eu.
Ou as mulheres de 30.
Ou seja lá o que for.
Aos 30 anos, querida sociedade, você já é o que é.
No sentido profissional.
Se eu sempre quis ser médica e não sou, se sou economista, ou jardineira, ou puta, ou seja lá a profissão que a pessoa tiver, ela tem que ser feliz com aquilo.
e se ela não for, muito bem, é chegada a hora de largar tudo e correr atrás.
No meu caso, eu me aceito, amo o que eu faço e apesar de medicina ter sido um sonho não concretizado, hoje eu sou feliz sendo economista e tenho a tranquilidade de caber nesse papel, de me realizar e de achar que eu não poderia ter feito diferente.
Que meu lugar é aqui, sabe?
E isso com outras coisas também
Os 30 anos estão me trazendo aceitação e maturidade.
Já não era sem tempo.
hoje, apesar de querer muito ser mãe, e não por sua causa minha querida, mas por mim, que sempre quis mesmo, independente de você, hoje, se eu não for mãe, tudo bem.
Me realizarei fazendo outras coisas.
Não acho que serei amarga e nem azeda.
São possibilidade minha cara, que aos 30 anos a gente começa a avaliar.
E você pode se desesperar ou aceitar a " a possibilidade" e começar a traçar planos, rotas alternativas caso isso não ocorra.
No meu caso, não sei se vai rolar.
Não bancaria uma parada independente, não engravidaria de ninguém propositalmente e tamos aí.
Eu sou tantas coisas, mesmo sem um homem.
Eu trabalho, eu ganho grana, eu faço cursos, eu danço ballet, eu bebo cerveja e vodca, eu leio pencas de livros, eu assisto filmes, eu vou ao teatro, eu tenho amigas, eu visito meu pai, eu viajo sozinha, eu rio de tudo e sobretudo de mim mesma, eu conto piadas, eu planto flores, eu crio histórias, eu escrevo, eu tomo sol, eu sou adulta, eu corro atrás do que quero, eu vou a luta, eu vou ao médico, eu faço exames periódicos, eu tenho vida sexual e ativa, muitas vezes até sozinha, é bem verdade, eu ouço músicas, eu faço as unhas, eu pinto os cabelos, eu pago contas e mais contas, eu escolho carros, eu procuro imóveis, eu troco pneu, com dificuldade absurda, mas se for preciso eu troco, eu tenho um afilhado, eu tenho pais e irmã, eu tenho amigos, eu faço happys, eu visito as pessoas, eu durmo, eu observo jardins, eu leio poesias, eu faço compras, eu faço massagem, eu passeio com o cachorro, eu vou ao dentista, eu visito museus, eu faço isso e muito mais, mesmo sem um homem.
E não estou querendo dizer que não preciso de um homem.
A Arca de Noé foi construída e só entravam casais, eu sei, eu sei...
Mas o que me incomoda, é a senhora atrelar a minha felicidade a existência de um homem ou não na minha vida.
Não sou coitada por não ter um namorado ou marido.
Não precisa me olhar assustada e nem com pena.
Não quero o homem de ninguém também.
E eu sei que uma hora vai aparecer o cara certo, se é que pessoas são certas.
E eu não sei tambpem se quero a tal pessoa certa, porque a pessoa certa pode ser uma chata e eu não gosto de gente chata.
Quero o homem errado. Mas que ele seja apaixonado por mim.
Aquele por quem eu nunca imaginei me apaixonar.
Esses tem muito mais graça.
De qualquer maneira sociedade, o que eu quero com essa carta é dizer o seguinte: Aos 30 anos já passou pela minha cabeça a hipótese de eu não me casar novamente, de não ter filhos, e de ficar sozinha sem uma relação estável.
E tudo bem.
É o que eu desejo?
Acho que não.
Mas eu sou feliz sozinha também, e é isso que eu quero mostrar pra senhora.
Se não pintar o tal homem, eu continuarei fazendo tudo isso acima descrito e mais algumas coisas que eu ainda quero fazer.
Se não pintar o tal homem, de boa, vou pra Turquia sozinha também.
E vou passar o reveillon e pular o carnaval.
E vou continuar viva, anyway, entende?
Então pro favor, reveja seus conceitos, porque tão um tanto quanto ultrapassados e eu não quero mais ouvir de ninguém que " uma hora vai rolar" com cara de pena, porque eu não tenho pena de mim mesma.
Eu sou feliz.
Mesmo sozinha.
Se achar alguém, muito que bem, que venha pra agregar.
Mas se não achar também, pelo amor de Deus, o mundo não vai acabar!!!!
As contas não vão parar de chegar.
E eu não vou parar de sorrir.
Eu vou continuar viva e vou seguir minha vida, e vou batizar crianças dos outros, e farei viagens lindas e terei as dores que as pessoas também tem.
Com exceção da preocupação com os filhos, porque isso eu não terei.
O que eu quero mostrar pra senhora, é que nós mulheres, somos completas.
Eu nasci completa.
Não me falta nada.
Homem é um plus.
Não é um pulmão.
Eu tô respirando.
Isso é o primordial que a senhora deveria entender.
porque entendendo isso, talvez muita gente que viva relacionamentos vazios e sem sentido se desfaçam disso e tenham a coragem pra ser feliz.
Porque " não sou feliz, mas tenho marido" definitivamente não vale pra mim.
Porque a vida não é nada sem felicidade!
A felicidade genuína de não colocar a responsabilidade pela nossa felicidade em estar com alguém.
Eu sou muito do caralho.
E mesmo sozinha, continuarei sendo.
Então, se aprenderes isso minha cara, muitos dos " valores" que julgo escrotos e que não acebem na minha vida, como hipocrisia, falsidade, jogos de interesses serão liquidados.
Não estou aqui também renegando o valor de uma relação.
Eu sei do valor.
Só tô falando que não aguento isso não, não quero que sintam pena de mim e não quero que me limitem a ter alguém.
Eu sou mais que isso.
Eu sou alguém.
Ou não sou?
Pensa nisso.
Avalia um pouco.
A senhora continua, mesmo com o passar dos anos, muito antiquada.
Por enquanto é isso.
Já será uma evolução.
Ah... Só mais uma coisa: Dá pra parar de cobrra rótulos em relações que eu venho tendo?
Grata.
Sem mais.
Bruna De leo














12 comentários:

Su Noschang disse...

É isso aí. Tenho o mesmo pensamento a esse respeito, sobre como a sociedade cobra as mulheres o tempo inteiro. Tb tenho 30 anos, nunca casei, não tenho filhos e estou muito bem assim, não que não os queira, mas não morrerei se não acontecer. tenho muito a fazer ainda e é com isso que me preocupo no momento. Graças a Deus pertenço a uma família de mulheres independentes com ou sem homem, não se preocupam com essas coisas da sociedade.
Parabéns pelo post. Gostei mesmo! Continue tranquila mesmo. vc está fazendo a sua parte. A sociedade que se dane.

Eduardo - TR3S MEIOS disse...

Numa palavra: FODÁSTICO!!
Essa é minha amiga, esse é o seu mundo. Mais uma vez, parabéns.
Eu ainda vou seguir minha batalha heroica de fazer você escrever um livro, nem que seja debaixo de porrada.
Te adoro de montão, acho que você sabe né?
Vários beijos no seu coração. Se cuida...

Terapia Coletiva disse...

Assino embaixo. Casei aos 34 por opção e aos quase 38 ( sen filhos) tenho certeza que a felicidade é mais importante, junto ou separado. E a sociedade, vai cobrar sempre: namorado, depois casamento, depois um filho, depois o segundo filho ( pq filho único é um absurdo?). Enfim, se for dar corda pra essa senhora Sociedade, vc não vai viver o que nutre sua alma de alegria e sim vai entrar no padrão de felicidade que ela criou, que não funciona pra muita gente! Se não pagam sua conta, não pode dar palpite, simples assim.

Keyla disse...

Muito bem Bruna, só acho que a Sra. Sociedade, infelizmente, não vai entender muito rápido, ela é bem véinha sabe, meio devagar... Mas o mais importante é vc com seus pensamentos e atitudes! É isso aí vamos é ser feliz e curtir nossa passagem por aqui. Bjo

fatinha disse...

Parabéns pela coragem de falar para essa tal sociedade tudo o que eu sempre tive vontade de dizer. Que maravilha esse seu post. Talvez um dos melhores que vc já escreveu. Nota 1000 para a sua sinceridade e sensibilidade. É isso aí!!! Mande um "foda-se" bem mandado para todos que te cobrarem um homem, como se não fôssemos capazes de viver sem eles... Te admiro mais e mais a cada post que vc escreve. O importante nesta vida é se amar e ser feliz!!! O resto é resto!!!!
Beijos no seu lindo coração!!!!!!!!

Sabrina disse...

Sensacional!! Concordo plenamente. Nao temos obrigação de seguir o que a sociedade nos impõe, que com a chegada dos 30 estamos balsacas de nao somos casada e sem filhos. Tbm nao agüento ouvir isso das pessoas. Quando vai casar? Olha, vai ficar muito tarde para ter filhos, cuidado. Balela.
Temos quer ser feliz por nos mesmos e o outro vir para completar, somar...
O mundo nao vai acabar se nao casar e ter filhos como a tal sociedade impõe.
Muito bem!!

André Rodrigues disse...

Entrei no seu blog sem querer, culpa do Google. Havia um post seu de 2010 no qual você falava que fumava e uma pessoa te chamou te cafona. Gostei de saber que não se rende a modismos e fuma porque gosta de fumar.
Falando nisso, você fuma ainda?

André Rodrigues disse...

É que eu ainda fumo e as vezes me enchem o saco também.

Simone Camargo disse...

Oi tuquinha! Você, como sempre, lúcida, corajosa e original. Post épico! Bj

Michelle disse...

Ah, Bruna, sempre é delicioso ler suas postagens...
Casei há dois anos, tenho 31, não fiz festa e nem assinei papel algum. "Juntamos-nos" e somos felizes, depois de cinco anos de namoro.
Agora a sra sociedade me cobra: o papel que eu não assinei, os filhos que não queremos pensar em ter por enquanto, que eu não tenho foto vestida de noiva e que um dia, olha só, meus filhos, que nem pensei ainda se quero ter, vão me cobrar para constatar que casei com o pai deles...
É demais, né?
Ninguém pergunta se somos felizes por não brigarmos nunca, se nos amamos e nos respeitamos... é só essa cobrança social dos infernos... Paciência é que tenho que ter.
Beijos!

Modica disse...

Mandou muito bem!!! É isso ae, é por essas que dedico meu tempo te lendo.

Nanda disse...

Identificação total!!!!!